Relacionamento Abusivo – Descubra se Você Vive nesta Condição

Estamos cercados de comentários e notícias sobre relacionamentos que não deram certo e, pior ainda, sobre aquelas relações em que algo muito ruim acontece porque o abuso (no seu conceito geral) existe e não detido.

O relacionamento abusivo pode estar acontecendo dentro de sua própria casa agora mesmo, na casa de sua irmã, de sua melhor amiga, de sua vizinha ou de dezenas de pessoas que você nem ao menos conhece. E acredite, homens também podem ser submetidos a uma relação abusiva, como no caso de casais homossexuais.

Entretanto, vamos hoje reservar um tempo para descobrir se você vive em um relacionamento abusivo – se o seu parceiro exerce poder moral sobre você.

Eu estou em relacionamento abusivo?

Entender esse ponto é essencial tanto para saber como funciona a mente do abusador como a sua própria, afinal essa forma de adversidade precisa ser exterminada. Uma relação que envolve a prática de abuso de uma das partes sobre a outra não é saudável, de modo algum.

Claro que, antes de tudo, precisa-se destacar um detalhe:

A violência não se classifica somente pela agressão física

Ela também pode se dar através de:

  1. Ofensas,
  2. Pressão psicológica,
  3. Injúria,
  4. Ameaças verbais,
  5. Intimidação,

Entre outros abusos morais.

Infelizmente, é muito frequente acreditar que uma situação dessas é normal e “aceitável”, isto é, que o comportamento do seu companheiro é uma forma de hierarquia, algo esperado, afinal ele é o “homem da casa”. Mas não é bem por aí.

Antes de questionarmos a importância de preocupar-se com você mesma, veja quais são os sinais claros que mostram que você vive em um relacionamento abusivo:

  • Ele faz com que você se sinta sempre errada ou que não entende nada,
  • Ele faz piadas a seu respeito e te humilha tanto sozinhos como quando estão entre amigos,
  • Ele mostra uma alta capacidade de fazer com que você se sinta mal a respeito de si mesma,
  • Ele discorda com frequência do que você diz, suas opiniões, ideias, sugestões e até mesmo suas necessidades,
  • Ele olha para você com reprovação,
  • Ele controla o que você faz, como você se comporta, com quem você sai, seus gastos financeiros, seu celular, suas roupas e até mesmo a cor do seu batom, por exemplo,
  • Ele gosta de citar seus defeitos e falhas,
  • Você faz coisas contra a sua própria vontade, pois você tem medo da reação do companheiro,
  • Ele não respeita quando você diz “não” (isso vale até durante o sexo),
  • Mesmo que ele nunca tenha “batido”, você apresenta alguns hematomas pelo excesso de força física (pode ser proveniente de um beliscão, do aperto da mão em seu braço, etc.),
  • Ele lhe ameaça e chantageia alegando que mais ninguém irá amá-la e aceitá-la além dele,
  • Ele faz você acreditar que a culpa por ele ser agressivo ou ameaçador é sua,
  • Ele não lhe agride (ainda, convenhamos), mas está descontando a agressividade dele em objetos, tais como portas, mesas, etc.,
  • Ele grita com você,
  • Ele te agride – sinal óbvio, mas necessário citar.

Há ainda o clássico “ciclo da violência”, o momento em que ele explode – que há a briga, a agressão e a violência – e depois vem a bonança, prometendo que nunca mais irá fazer isso com você, que está arrependido, que irá mudar.

Não. Ele não vai mudar. E não, você não pode cair nessa ladainha.

Relacionamento abusivo: Procure ajuda!

Se você se encaixou nos itens que descrevem o que é um relacionamento abusivo ou conhece alguém que pode estar passando por esse problema, é fundamental que você não fique calada.

Lidar com uma relação abusiva e ter uma mudança real e favorável só acontecerão se você tiver a disposição de sair da relação, ter forças para evitar o abusador, não voltar atrás e aceitar o auxílio da psicoterapia.

É provável que você se sinta culpa do relacionamento ser assim e esse pensamento não deve ocorrer – não é culpa sua, tenha isso de maneira plena em sua mente! O comportamento abusivo o parceiro não é algo que você poderá mudar, ele não é originário de algo que você tenha feito.

Volte a ter sua individualidade, sua força e perceba que aquele relacionamento estava lhe destruindo.

Você vale muito mais que tudo isso. Você não merece viver em uma relação destrutiva e controladora, você pode voltar a ter seus amigos perto de você novamente (algo que não acontecia antes, pois eles se afastaram graças à mudança do seu próprio comportamento e da visão deles da sua relação abusiva) e perceber que seus familiares estavam certos se alguma vez eles lhe disseram que você já não era mais a mesma pessoa de antes.

Você não está sozinha(o). Qualquer ameaça, violência física ou qualquer outro tipo, ligue 180 – Delegacia da Mulher.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *