Como manter a individualidade na relação

Respeitando a individualidade – A importância de dar espaço ao seu parceiro

Uma relação saudável envolve a individualidade de cada parceiro – é de suma importância que o casal dê espaço e aprenda a equilibrar a identidade pessoal de cada um juntamente com a identidade conjugal.

Mas o que isso significa? O casamento é a soma de duas identidades pessoais. O resultado é uma terceira identidade – afinal, passar a conviver juntos é sinal de que duas pessoas querem chegar a um consenso em todos os aspectos. Entretanto, nem sempre isso é possível. Concordar em tudo pode confundir ou fazer com que um dos lados ceda seus verdadeiros sentimentos.

Porque respeitar a individualidade do parceiro é importante?

É preciso reconhecer como é importante manter a individualidade do casal na relação. Uma pessoa pode até abdicar de hábitos individuais para satisfazer a vontade do outro, entretanto isso não é o mesmo que deixar de ter seus próprios anseios, desejos e sonhos particulares.

Há razões simples para dar espaço ao seu(sua) parceiro(a).

  • Desenvolve-se, primeiramente, um relacionamento honesto: há a questão da maturidade de ambas as partes, que desenvolve o diálogo e estabelece a confiança.
  • A relação conjugal que preza pela individualidade garante uma preocupação genuína com a saúde do próprio relacionamento e o bem-estar do casal.
  • Há o envolvido da satisfação pessoal e a busca pela conciliação entre o amor próprio e o amor pelo parceiro.
  • Valoriza-se os atributos e virtudes que se possui: aperfeiçoa-se a autoestima.

O que pode-se concluir é que a individualidade é o conjunto de características que tem como função definir um indivíduo e o fazer ser percebido. Esse ponto pode tanto atrair como ameaçar um relacionamento.

Vejamos alguns exemplos de situações que podem afetar a relação e sufocar o parceiro quando a sua individualidade não é respeitada:

  1. Deixar de sair com outros amigos por ciúmes do parceiro,
  2. Parar com a realização de alguma atividade que lhe dava prazer e que já fazia parte da rotina, tal como um esporte, por exemplo,
  3. Deixar de usar determinado estilo de roupa porque o parceiro não acha adequado,
  4. Parar de ouvir uma certa música ou mesmo um grupo musical porque o parceiro não gosta.

A individualidade é necessária em um relacionamento – tome cuidado apenas com o individualismo em excesso: não torne-se uma pessoa egoísta e esqueça do(a) parceiro(a). Deve-se dosar as ações, a ansiedade, os ciúmes e os outros sentimentos que envolvem a ideia de “posse” para que os dois lados saiam ganhando durante o processo de adaptação do casal.

Mantendo a individualidade

Como preservar a individualidade?

Aprender e praticar um pouco da independência é um processo que deve ser realizado com calma, principalmente para evitar conflitos no futuro.

O distanciamento em que ambos se soltem das “algemas” emocional é saudável, desde que sempre se lembre de não afetar o amor que um possui pelo outro.

Quer algumas sugestões? Aqui estão várias!

  • Tanto você como o(a) seu(sua) parceiro(a) podem – e devem – realizar atividades sozinhos ou desfrutar de alguma privacidade.

Sendo assim, ambos podem dar espaço para sair com os amigos, ficar com a família ou mesmo manter alguma atividade que era praticada individualmente antes do início do relacionamento e continuar fieis em suas convicções, sabendo que há confiança de ambos os lados.

  • Não deixe de fazer o que gosta só porque está em uma relação.
  • Enquanto o(a) seu(sua) parceiro(a) está em algum compromisso individual, entretenha-se em alguma atividade que lhe dê prazer.
  • Não procure escancarar a intimidade em demais.

Isso vale tanto em conversas entre o casal e até mesmo em horas sociais, afinal problemas e dúvidas entre os parceiros devem ser lidadas somente entre os parceiros.

  • Não fazer cobranças é a regra – isso é fundamental para praticar a individualidade.
  • Procure evitar a carência, a insegurança, o “grude” em excesso.

Isso pode passar a impressão de falta de confiança e característica de possessivo(a) pelo(a) parceiro(a).

  • Nem sempre haverá consensos.

Um casal nunca concordará em tudo – o foco é não se magoar e nem frisar as divergências. A conversa é o melhor remédio, pois visa garantir o respeito entre ambos e destacando a individualidade nas opiniões.

Portanto, o encontro e o equilíbrio da individualidade e das próprias vontades do casal podem ser atitudes naturais, desde que o diálogo seja um fator de destaque no relacionamento.

Viu só como é importante dar espaço para o parceiro? Não existe amor sem liberdade, é fato. Uma relação entre duas pessoas é um processo de troca que tem dois aspectos essenciais: a honestidade e a persistência. Esta é a receita de um amor saudável, já que todos os dias deve-se doar e receber, compartilhar e sentir – tudo isso sem perder a sua individualidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *